quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A morte

Com seu manto negro
E seus passos faceiros,
Escudo na mão e o quinhão
A que veio se revela insólito.

A morte e o corte da vida
Fusionados em um lamentar
Pesado, árduo fardo que a contragosto
Há de se carregar.

Despedida da vida
Choca e dói cruamente
Aos enlutados
Sobreviventes.

O recomeço é o preço
Pago pelos encarregados
A permanecer flutuando
Neste mar de incertezas e tropeços.

Um comentário:

mateus rosa disse...

Um abraço apertado e demorado!
(: