segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Uns rabiscos

Rabiscando a folha em branco que reflete o pranto
Silencioso que me assombra, vejo que
Me afasto de contato e busco uma sombra
Com ar fresco onde possa me recostar e pensar
No vazio destes dias mornos.
Ligo o forno burbulhante de meus pensamentos,
A cabeça dói e as idéias suscitam o que reluto
A enxergar com olhos racionais, pois a emoção foi capaz
De emprestar-me um par de óculos que denota-me a autora
De minha própria queixa, visto que há delongas dou uma deixa
Para que a solidão se aproxime e domine cada poro da pele,
Cada voz que se encerre em um prolongado sussurro mudo
Condena-me à culpa da falta insolúvel de que não canso de lamentar,
Embora nada faça para que tal fato venha a se modificar.
Lentamente procuro solução, pois estou tornando-me consciente de que
Em mim está o que dará vazão para prosseguir neste caminhar que precisa
De pitadas de cores e força para atingir garra e energia, pra com o coração
Esboçar um sorriso e sorrir sem apatia, enfim.

2 comentários:

Victor Canti disse...

suas palavras, seu sentimento é o mesmo que ando sentindo, vc traduziu exatamente isto...
tenha fé!! ;)
obs. eu criei um novo blog, conheça: http://conceitossaoreflexos.blogspot.com/
bjs

mateus rosa disse...

Hum... De fato, está dentro de nós... Não além! Ou seja, depende simsplesmente da gente mudar nossas situações.

Adoro!
(: